quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

O 18 de brumário de Luís Bonaparte em quadrinhos



As pessoas foram às ruas empunhando bandeiras por direitos sociais básicos, num movimento que foi rapidamente cooptado pela elite, levando o país numa direção contrária à almejada pelos manifestantes. Foi há cinco anos, em 2013. Foi há 170 anos, em 1848.


Para este ano em que se comemora, agora em maio, 200 anos do nascimento de Marx, preparamos estversão em oito de páginas de quadrinhos de uma de suas grandes obras. Texto e desenho retratam a mediocridade de Luís Bonaparte, sobrinho de Napoleão, traçada nas páginas do barbudo com grandes doses de sarcasmo, mas trazendo à baila algumas temáticas sociais e políticas presentes no livro original. 



Claro que o objetivo não era esgotar a obra original, nem mesmo fazer uma versão definitiva, mas uma versão dos autores para um acontecimento marcante da história francesa em seus paralelos inegáveis com o Brasil atual. 



Com um humor também presente no livro original, a HQ narra a entrega do poder na França, em meio às disputas parlamentares, a um personagem "medíocre e grotesco", o sobrinho de Napoleão Bonaparte. Isso, após um processo revolucionário que começou com operários lutando por direitos sociais básicos.

Rogério Faria, o roteirista, faz trabalhos institucionais e escreve roteiros autorais, é criador das tiras dos Brasinhas (2013-2016). Raimundo Guimarães, o desenhista, é o criador do Galo Costa e faz caricaturas, tendo trabalhado com Estúdio Maurício de Sousa, Editora Abril e Editora Globo. São os mesmos autores de Mensagem na Garrafa, uma inquietante história de terror, e Mais um Dia, HQ sobre o amor fraternal, ambas disponíveis na Social Comics e na Amazon. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário